Amamentação após cirurgia de mama

Muitas mães nos questionam se é possível realizar a amamentação após cirurgia de mama (mamoplastia), ou após tratamento contra o câncer de mama. Essas situações exigirão um pouco mais de cuidado, mas na maioria das vezes não inviabilizam a amamentação. De uma forma geral, o prognóstico dependerá do tipo de cirurgia realizado e, quanto mais tempo tiver passado sua cirurgia, maior a possibilidade de ter sensibilidade na aréola e no mamilo e melhor será a produção de leite.

 

Mamoplastia redutora

 

            Existem basicamente duas técnicas de cirurgia de redução de mamas: a primeira em que é feita um transplante da região da aréola (ela é retirada junto ao mamilo e colocada novamente), e por isso ocorre a secção da inervação da aréola e do mamilo, o que dificultará a amamentação. A segunda técnica preserva a inervação, vascularização e os ductos lactíferos (canais que levam o leite do local que são produzidos até o mamilo) sendo então a mais indicada para as mulheres que pretendem amamentar futuramente.

 

Inserção de prótese de silicone

 

Existem dois lugares de inserção da prótese mamária de silicone, que pode ser antes do músculo ou atrás do músculo. Ao ser inserido antes do músculo, as chances de compressão do tecido glandular são maiores, aumentando a probabilidade de apresentar dificuldade de amamentar. Por isso, a inserção atrás do músculo é a mais indicada, e atualmente é a mais realizada no Brasil. Além disso, a sensibilidade na região da aréola e do mamilo pode estar alterada após a cirurgia, podendo ser permanente ou passageiro, o que também interferirá na amamentação.

O tipo de inserção do silicone influencia a amamentação após cirurgia de mama

 

Tratamento para o câncer

 

Esses são os casos que geralmente mais afetam a amamentação. A incisão cirúrgica pode destruir o tecido mamário, causando diminuição significativa da produção de leite. Além disso, a radiação pode causar alterações como fibrose, atrofia e estenose dos ductos lactíferos. Geralmente ocorre ainda alteração na elasticidade do tecido da aréola e do mamilo, dificultando a pega do bebê. Apesar de todos esses fatores, muitas mulheres ainda conseguem amamentar pós-tratamento, e não existe contraindicação para tal (a não ser que ainda esteja em uso de quimio ou radioterápicos).

 

A amamentação após cirurgia de mama não está impedida em nenhum dos casos citados, mas as vezes exigirá um acompanhamento de um profissional. Converse com seu obstetra e o pediatra de seu bebê, conte para ele se já tiver realizado alguma intervenção nas mamas. Entre em contato conosco!

Deixe um comentario