Amamentação em prematuros

Os bebês prematuros, aqueles que nascem “antes da hora”, precisam de uma atenção especial no momento da amamentação. Isso porque ainda não estão suficientemente maduros para conseguir amamentar de forma eficaz. Isso não significa que não devem receber o leite materno. Pelo contrário, a amamentação em prematuros é ainda mais importante. Vamos explicar o por quê.

Características do prematuro

Os bebês prematuros, por terem ficado menos tempo na barriga da mãe, não conseguiram desenvolver uma capinha de gordura (reserva energética). Por isso, precisam ser alimentados o mais rápido possível, por mais tempo e em intervalos menores, para conseguirem ganhar peso.

Eles apresentam também uma imaturidade dos sistemas imunológico e gastrointestinal, por não terem recebido os anticorpos que a mãe transmite nas últimas semanas de gestação.  E nós já sabemos que o único alimento capaz de transmitir essa proteção (os anticorpos), é o leite materno. Caso seu bebê esteja internado, fique tranquila, pois os hospitais costumam priorizar que eles recebam leite materno (o seu próprio ordenhado, ou do banco de leite). Somente quando necessário, a alimentação é complementada com uma fórmula especial para prematuros. Devido a imaturidade gastrointestinal, os prematuros normalmente apresentam digestão mais lenta (pior no uso de fórmulas), deficiência de enzimas metabólicas, engasgos e regurgitações.

A coordenação entre a sucção e a deglutição só acontece por volta de 34 semanas. Por isso, bebês com idade menor que essa, tendem a apresentar incoordenação e engasgos freqüentes. Nessa situação, é muito importante o acompanhamento de uma fonoaudióloga capacitada no assunto.

Como podemos ajudar?

Enquanto seu filho estiver internado, é fundamental que você ordenhe seu leite (veja algumas dicas de como fazer aqui). Procure o banco de leite do hospital que ele estiver para ser orientada. Você se beneficiará, pois irá manter/ aumentar a produção do leite enquanto seu filho não puder sugar e terá todos os benefícios que a ocitocina traz, e ainda poderá doar seu leite para seu próprio filho ou para outros bebês cujas mães não possam ordenhar. Nos primeiros dias, provavelmente, sairá pouco leite, mas não desista! Isso é comum, pois o seu organismo ainda não está preparado. Olhe para uma foto do seu bebê, pense nele com carinho, isso irá te ajudar no momento da ordenha.

Procure saber se o hospital é adepto do método canguru. Mesmo que não seja, procure manter o contato pele a pele sempre que possível. Isso irá estimular seu corpo a produzir os anticorpos que o bebê precisa e que serão transmitidos a ele pelo leite, além dos outros benefícios do contato com seu recém nascido.

A transição da dieta enteral (pela sonda ou pela veia) para o seio, deve acontecer de forma gradativa, e vai depender da idade corrigida do bebê e de suas condições gerais de saúde. Geralmente, recomenda-se o uso do copinho (veja como oferecer seu leite no copinho aqui), pois o bebê ainda não estará preparado para sugar o seio. Para esse momento – o da transição – é extremamente importante o acompanhamento de um profissional capacitado. Cada bebê, cada mãe e cada família, trazem consigo suas particularidades que devem ser levadas em consideração e respeitadas.

Caso restem dúvidas em relação à amamentação em prematuros, ou ainda não se sinta totalmente segura, entre em contato conosco! Estamos à disposição para ajudar!

Deixe um comentario