Amamentação

2
jun

Hiperlactação: o que fazer?

Vocês já ouviram falar em hiperlactação? O que fazer nesses casos? Nós vamos te ajudar!

De uma forma simples e objetiva, a hiperlactação é a produção excessiva do leite materno. Ela ocorre quando a mãe libera uma grande quantidade do hormônio chamado prolactina, que é responsável pela produção do leite.

Read more

31
mar

Medicamento para aumentar a produção de leite

Devo tomar algum medicamento para aumentar a produção de leite?

Muitas vezes as mães nos procuram com a queixa de que tem pouco leite para seu filho. Mas antes de pensarmos em alternativas para aumentar a produção, vamos refletir um pouco sobre isso. O te leva a crer que a produção está baixa?

Na grande maioria das vezes as mães têm uma percepção errônea de sua produção, influenciada pela insegurança em relação a sua capacidade de nutrir seu bebê, pelo desconhecimento do comportamento do recém nascido (que quer mamar com freqüência) e por opiniões negativas e destrutivas de pessoas próximas sem conhecimento.

As causas de real insuficiência na produção do leite materno são o uso de medicamentos que inibem a produção, cirurgia mamária redutora e em casos mais raros, distúrbios na produção dos hormônios envolvidos na lactação (que pode estar relacionado a fatores emocionais, como por exemplo o baby blues ou depressão pós parto) ou pouco tecido mamário. Observe que em nenhum desses casos o uso de medicamento será a solução.

O que garante uma boa produção de leite são o posicionamento e pega correta do bebê, a livre demanda (mamadas curtas e/ou infreqüentes fazem o organismo da mãe achar que não precisa produzir mais leite) e mamãe e bebê tranqüilos e confiantes. O uso de bicos artificiais (inclusive intermediários de silicone) e complemento com fórmulas infantis também terão influência negativa na produção.

Não existe comprovação científica de nenhum medicamento para aumentar a produção de leite. Além disso, essa prática pode ser danosa para você e seu filho. Portanto, se algum profissional prescrever algum medicamento para aumentar sua produção, questione! O que vai garantir de fato a produção adequada é o manejo correto da amamentação. A baixa produção não é uma doença que precisa ser medicada para ser tratada. Lembre-se que nem sempre o choro é sinal de fome! Em caso de dúvidas, procure um profissional especializado para te ajudar. Estamos à disposição!

4
mar

Ducto entupido: o que fazer?

Saiba se você está com ducto entupido e o que fazer

Uma  das causas de dor muito comum que as mães enfrentam durante a amamentação é a obstrução dos ductos. Isso ocorre quando o leite produzido em uma determinada região não é drenado corretamente, ou seja, quando a mama não está sendo esvaziada corretamente. Pode acontecer devido a pega incorreta em que o bebê não consegue extrair o leite de forma eficaz, ou a baixa freqüência de sucção ao seio, por isso a importância da amamentação em livre demanda. Outra causa freqüente da obstrução de ductos é a pressão exercida em alguma região, devido ao uso de sutiãs ou roupas muito apertados, ou o uso de cremes e pomadas, tampando assim os poros de saída do leite (falamos mais um pouco sobre o uso de pomadas e cremes nesse outro texto).

Como saber se estou com algum ducto entupido?

O ducto entupido provoca nódulos localizados, sensíveis e dolorosos, com vermelhidão e calor na área envolvida, e em geral não vem acompanhado de febre. Frequentemente está acompanhando de um pontinho branco, às vezes imperceptível no mamilo, que pode ser muito doloroso na hora de amamentar.

desenho mostrando um ducto obstruídoducto obstruído causa nódulo dolorido

E o que fazer se eu estiver com ducto entupido?

O melhor a se fazer é prevenir a obstrução dos ductos. Por isso é importante o manejo correto da amamentação, como já falamos anteriormente, amamentar em livre demanda, pega correta, e esvaziamento completo das mamas. Evite o uso de sutiãs muito apertados, assim como pomadas e cremes. Se mesmo assim você apresentar um quadro de ducto obstruído, é importante resolver logo para não evoluir para uma mastite. As medidas para o desbloqueio são as seguintes:

  • Mamadas freqüentes
  • Mudança de posição para mamar, oferecendo primeiro a mama afetada, com o queixo do bebê voltado para a região afetada, assim ele exercerá mais pressão nessa área favorecendo a saída do leite daquele local. Outra posição indicada é a da foto abaixo, pois a gravidade vai ajudar na descida do leite.

desenho de uma mulher amamentando de 4

  • Calor local (compressa morna – ATENÇÃO! FAÇA AS COMPRESSAS SOMENTE COM SUPERVISÃO DE UM PROFISSIONAL)
  • Ordenha manual ou com o uso da bombinha extratora, caso o bebe não consiga esvaziar a mama completamente
  • Se houver pontinho branco no mamilo, retirá-lo esfregando com uma toalha ou utilizando uma agulha esterilizada. Para esse procedimento sugerimos também o acompanhamento de um profissional especializado.

Vale lembrar que essas dicas não substituem uma consulta presencial. O diagnóstico deve ser feito por um profissional e a conduta é individualizada de acordo com cada caso. Estamos à disposição para ajudá-la!

24
out

Desmame gradual e gentil

Você deseja fazer um desmame gradual e gentil? Sem traumas para criança e para você? Nós podemos te ajudar!

Depois de tanto tempo amamentando, curtindo esse momento único entre você e seu filho com prazer e alegria, é chegada a hora do desmame. E nada mais justo que encerrar esse ciclo de forma gradual e gentil para que não gere traumas. Se conseguiram chegar até aqui, por que estragar tudo no final? Técnicas como utilizar produtos com cheiro e sabor desagradáveis nas mamas não são indicadas, pois vão na contra mão do que estamos dizendo: finalizar esse ciclo com gentileza e sem traumas. Imagine só como seria para o bebê, o tão amado tetê de repente passar a ter gosto ruim. Aquele que o acalmava e trazia conforto agora é um vilão que traz sensações ruins.

Da mesma forma, dizer para o bebê que “o mamá da mamãe ficou dodói” ou inventar outras desculpas para a criança não ir mais ao seio, não são legais, pois acreditamos que a relação entre mãe e filho deve ser sincera.

Mas então, como agir nesse momento?

O primeiro e mais importante passo é identificar se a hora do desmame chegou. Essa é uma decisão que cabe somente à mãe. É chegada a hora do desmame quando a amamentação deixa de ser prazerosa para a mãe. É importante identificar se realmente é o seu desejo deixar de amamentar ou se tem pensando nisso por pressão social. E se realmente for esse o momento, dê o primeiro passo sendo sempre sincera com seu filho. Tendemos a acreditar que por serem pequenos eles não entendem, mas entendem sim. Podem não entender completamente a mensagem falada, mas entendem pela linguagem corporal, pela entonação de voz, pelos gestos e pela forma que nos posicionamos. Mostre a ele que existem outras formas de vocês se comunicarem e manterem um vínculo que não seja necessariamente amamentando.

Por acreditarmos que cada família é única, sabendo que cada uma carrega particularidades e histórias diferentes, optamos em não compartilhar aqui técnicas específicas de desmame. Elas podem funcionar muito bem para uma mãe e para não tão bem para outra. O ideal é que sejam avaliadas de forma individualizada e seja traçado um planejamento de acordo com o perfil de cada uma. Portanto, se você deseja iniciar o desmame gradual, entre em contato com a gente. Será um prazer poder ajudá-la!

 

1
abr

Amamentação cruzada

Entenda por que a amamentação cruzada é proibida no Brasil

 

No dia 27 de Março, a Rede Globo mostrou em uma cena da novela das 21 horas uma cena lamentável. Primeiro a personagem disse que a mãe teria pouco leite, e já sabemos que se o leite não está sendo suficiente, é porque há algo de errado na amamentação. Por isso ela deve ser avaliada e os ajustes devem ser feitos para se adequar a produção (falamos um pouco mais sobre isso aqui e aqui, além de dar dicas de como aumentar a produção de leite).

A solução apresentada pela personagem foi que o bebê mamasse no seio de outra mãe. Mas essa prática, chamada de amamentação cruzada, é proibida no Brasil.

 

Vamos entender o porquê:

Existe o risco de transmissão de doenças como HIV, HTLV, hepatite e outros vírus durante a amamentação. Isso pode ser tanto da mãe para o bebê quanto o contrário. “Mas Mônica, eu conheço ela, é de confiança, sei que não tem doença nenhuma”. Todos nós estamos sujeitos a contrair doenças, independentemente de sermos “de confiança” ou não. Existe um período chamado janela imunológica, que é o intervalo entre contrair a doença e ela apontar alterações nos exames. Então, o bebê ou a mãe podem estar doentes e não saberem ainda.

Além disso, todos os dias surgem novos vírus. Futuramente, esse bebê poderá descobrir que contraiu alguma doença que ainda não foi descoberta nos dias de hoje.

 

E o leite que é doado?

Os leites doados aos bancos de leite passam pelos procedimentos de pasteurização necessários antes de serem oferecidos a outros bebês.

 

Se você tiver dúvidas ou dificuldade para amamentar, entre em contato com a gente. Será um prazer poder te ajudar!

9
mar

Dicas de amamentação – podcast Sem Choro

No mês passado participei do Podcast do Sem Choro, dando preciosas dicas de amamentação.

No início do mês, tive o prazer de participar de um bate papo com o Rafael Andrade do portal Sem Choro. Nessa conversa agradável e descontraída, dei algumas dicas básicas, mas importantíssimas sobre amamentação. Para os pais de primeira viagem, está imperdível.

Os principais assuntos abordados na conversa foram:

Como se preparar para amamentar

Tipos de leite materno

Principais benefícios da amamentação

A importância da livre demanda

Entre outros.

Quem ainda não ouviu, vale a pena conferir neste link aqui. Aproveitem para conhecer o portal Sem Choro e seu clubinho de vantagens. Os associados ao clubinho tem uma série de benefícios como descontos, brindes e promoções relacionados a produtos e serviços do segmento infantil. E é claro, fazemos parte também!

Em caso de dúvidas ou dificuldades com amamentação, entre em contato comigo. Estou á disposição para ajuda-los!

31
jan

O uso de cosméticos durante a amamentação

Tem dúvidas de quais os cosméticos pode utilizar enquanto amamenta? Nós vamos te ajudar!

 

A maioria das mulheres é vaidosa e gosta de se cuidar, não é mesmo? E não é só porque está amamentando que vai deixar de se sentir bonita. Mas eu posso utilizar cosméticos durante a amamentação sem riscos de prejudicar a saúde do bebê?

O Ministério da Saúde classifica o uso de cosméticos durante a amamentação em três grupos: uso compatível com a amamentação, uso criterioso durante a amamentação e uso contra indicado durante a amamentação. Isso significa que os de uso compatível são seguros para serem utilizados durante a amamentação; os de uso criterioso devem ser usados avaliando-se o risco/ benefício, durante o menor tempo e a menor quantidade possíveis; e os contra indicados não devem ser utilizados pelo risco evidente de efeitos colaterais. Estes mesmos critérios são utilizados para classificar o uso de medicamentos e outras drogas e substâncias, como já falamos um pouco mais aqui.

Classificação do uso de cosméticos durante a amamentação pelo Ministério da Saúde

Uso compatível com a amamentação:

  • Implantes de silicone (mais sobre este tema aqui)
  • Tinturas para cabelo (desde que não contenha o metal chumbo)

Uso criterioso durante a amamentação:

  • Amônia
  • Hidroquinona
  • Piercings (uso criterioso no mamilo, devido ao risco de danos aos ductos mamários)
  • Tatuagens (uso criterioso no mamilo e aréola, pelo risco de dermatite e obstrução de ductos)
  • Toxina Botulínica Tipo A (Botox)

Uso contra indicado durante a amamentação:

  • Formol (risco de intoxicação).

 

Caso ainda tenha alguma dúvida, converse com seu obstetra ou pediatra de seu filho. É sempre bom ter o respaldo de um profissional competente antes de tomar suas decisões. E lembre-se que as dicas que damos aqui, não substituem uma consulta.

 

Link para o material do Ministério da Saúde: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/amamentacao_uso_medicamentos_2ed.pdf

27
dez

Alimentos proibidos na amamentação

Será que existe mesmo uma lista de alimentos proibidos na amamentação?

Na nossa cultura, acredita-se que vários alimentos nunca podem ser consumidos pela mãe que amamenta, porque causariam cólicas ao bebê. Porém, a boa notícia é que não existe comprovação científica de alimentos proibidos na amamentação. O que é passado para o leite materno é somente aquilo que passa para o sangue da mãe (como álcool, drogas e alguns medicamentos). – De fato, álcool e drogas são realmente contra indicados na amamentação. Já o uso de medicamentos, caso seja necessário, consulte as dicas que damos aqui. – Gases são produzidos no intestino, e por isso não passam da mãe para o bebê.

Na realidade, as cólicas e desconfortos abdominais que os bebês apresentam ocorrem devido à imaturidade gastrointestinal. Isso pode ser agravado pela pega incorreta ao seio, levando a uma ingestão excessiva de ar. Por isso é importante manter sempre a pega correta. O uso de mamadeiras e outros bicos artificiais também favorece o aumento dos gases.

Mas é claro que, se você perceber que um ou outro alimento causou maior desconforto ao bebê, o ideal é evitá-lo. O que recomendamos é que isso seja feito após experimentar. Não se prive de nenhum alimento antes de saber se fará mal ou não. É importante ressaltar que essas orientações valem para bebês que não tem alergia ou alguma intolerância alimentar. Nestes casos, procure ajuda de um nutricionista.

A maternidade já é uma fase que exige muita privação. Se privar de comer o que gosta, além de desnecessário, poderá trazer prejuízos emocionais para a mãe mais importantes do que benefícios para o bebê. Ao primeiro sinal de cólica, certamente colocarão a culpa em você e sua alimentação. Mas você não é culpada disso! Com o amadurecimento gastrointestinal as coisas tendem a melhor. Por isso, não abra mão do que gosta de comer. Sempre com bom senso, é claro!

4
out

Meu bebê quer colo e peito o tempo todo

Entenda a teoria da exterogestação

Diferente da maioria dos outros animais, o ser humano não nasce apto a andar, não fala, não enxerga, não tem capacidade de interpretar os sons, não senta, não sustenta a cabeça e não tem capacidade de se alimentar sozinho. Ou seja, ele nasce totalmente dependente da mãe e as vezes só quer peito o tempo todo.

O antropólogo Ashley Montagu criou a teoria da exterogestação, que tem sido amplamente divulgada pelo pediatra Harvey Karp. Essa teoria nos diz que a gestação não dura somente 9 meses, mas sim 12, sendo os últimos 3 no ambiente extra uterino. Esse período seria a transição do bebê de dentro da barriga da mãe para a vida aqui fora e sua adaptação.

Quando nascem, os bebês ainda não sabem que são seres separados da mãe. Para eles os dois são um ser só. Além disso, vieram de um ambiente totalmente escuro, onde ficavam bem apertadinhos, ouviam os sons internos e a voz da mãe e recebiam alimento o tempo todo via cordão umbilical. Por isso é comum o bebê querer ficar grudadinho na mãe, ele ainda não se reconhece como ser distinto. E isso nos dá a impressão de que ele quer peito o tempo todo.

E o que podemos fazer para ajudar o bebê?

A resposta é simples: procure estratégias que o façam remeter ao ambiente intra uterino. Desta forma ele se sentirá seguro e vai descobrindo aos poucos que ele e a mãe são seres separados.

Fazer o casulinho com o bebê é ótimo! Ele se sentirá como se estivesse dentro do útero, bem apertadinho.

Bebê quer peito o tempo todo - passo a passo para colocá-lo no casulinho

Como fazer o casulinho com o bebê

Outro ótimo aliado é o sling. Com ele, você terá as mãos livres para realizar outras tarefas enquanto o bebê fica grudadinho em você o tempo todo. Ele estará ouvindo o seu batimento cardíaco, assim como ouvia dentro da barriga. Estará regulando a temperatura corporal de acordo com a sua. Você sabia que isso ajuda a evitar cólicas? Os bebês se desgastam muito tentando ajustar a temperatura corporal sozinhos, o que acaba gerando gases e desconforto abdominal! Isso também favorecerá a amamentação, pois a proximidade do seu bebê estimula sua produção de leite e ele poderá mamar a qualquer momento.

posição do bebê no sling por faixa etária - meu bebê quer colo e peito o tempo todo

Como o bebê fica posicionado no sling

Por falar em amamentação, durante este período parece que o bebê quer peito o tempo todo não é mesmo? Como falamos anteriormente, dentro do útero ele recebia alimento constantemente via cordão umbilical. Por isso ele ainda não consegue controlar os horários de mamada. Assim, é importante manter a livre demanda.

Fique tranqüila que aos poucos ele vai estabelecendo uma rotina. E lembre-se: bebês não sugam o peito só para conseguir alimento. Eles têm necessidade da sucção não nutritiva, que acalma e traz segurança (falamos um pouco mais sobre isso aqui). E também será a sucção do bebê que irá regular sua produção de leite. Por isso, ofereça o seio sempre que o bebê quiser. As outras estratégias que citamos ajudam a tranqüilizar o bebê, e tendem a diminuir essa vontade de ficar no peito o tempo todo.

Outras técnicas que trazem tranqüilidade e ajudam o bebê a lembrar do ambiente uterino são o banho de balde e a shantala. Imitar o som do útero (um shhhhh constante) também ajuda. Existem alguns aplicativos de celular com este som, mas o ruído de um secador de cabelos ou aspirador de pó são bem parecidos.

Resumindo um pouco tudo isso, existe o método 5s, que o pediatra Dr. Daniel Becker mostra no vídeo a seguir::

Mas não vou deixar meu filho mal acostumado assim?

Não! Bebês não tem a capacidade de manipular os adultos. Eles não estão fazendo manha e não ficarão mal acostumados. Eles precisam se sentir seguros e amados para conseguirem desenvolver bem suas habilidades.

Entendemos que seja cansativo, e por isso reforçamos mais uma vez a importância da mãe ter uma rede de apoio, para que se dedique exclusivamente ao bebê. E logo essa fase irá passar e você sentirá falta de ter seu filho grudadinho em você. Em caso de dúvidas, entre em contato com a gente. Estamos à disposição para te atender!

19
set

Como se preparar para amamentar

Como devo preparar o seio e me preparar para amamentar?

Antigamente recomendava-se o preparo das mamas durante a gravidez para amamentação. Acreditava-se que era preciso “calejar” a pele, preparando-a para a pega do bebê evitando assim fissuras. Porém, atualmente já sabemos que a única prevenção de fissuras é a pega correta. As supostas recomendações para se preparar para amamentar, na verdade, em nada ajudam, pelo contrário, na maioria das vezes tornam-se prejudiciais para a amamentação.

O uso de conchas para ajudar a “formar o bico” não é eficaz. Mesmo que momentaneamente o bico fique um pouco mais protruso, logo ele retornará a posição natural. Isso também serve para seringas que puxam o mamilo. Não existe artefato artificial que modifique a anatomia humana. Além disso, o uso de conchas favorece o aparecimento de candidíase mamária, proliferação de fungos e bactérias, causando dor e desconforto. O ideal é deixar os mamilos bem secos e arejados. Existem vários tipos de mamilos (planos, protrusos, invertidos) e é possível amamentar com todos eles, com orientações e apoio de um profissional capacitado.

Como se preparar para amamentar - os tipos de bico de seio

Os tipos de bicos

 

Alguns profissionais indicam ainda os exercícios chamados Manobras de Hoffman, que consiste em puxar o mamilo e girá-lo diariamente. Mas os estudos mais recentes mostram que isso não traz benefício algum.

Durante a gestação, as células ou Tubérculos de Montgomery (aquelas protuberâncias na aréola) produzem a hidratação e proteção natural para aréola e o mamilo. Ao esfregar a região com bucha ou toalhas ásperas estamos retirando esta proteção e favorecendo o ressecamento, o que pode causar feridas. O ideal é higienizar as mamas somente com água, como já ensinamos aqui. O uso de sabonetes pode alterar o pH natural da pele. O uso de cremes hidratantes (assim como as pomadas de lanolina) pode causar a obstrução de ductos e atrapalhar a pega, pois deixa a mama escorregadia. Além disso, a alteração no cheiro e no sabor causado por eles pode fazer com que o bebê recuse o seio. Deixe-o sentir seu cheiro e sabor naturais, isso é um atrativo para chegar até a mama que favorece a amamentação.

como se preparar para amamentar - representação dos tubérculos de Montgomery no seio

Tubérculos de Montgomery, responsáveis pela produção da hidratação e proteção natural da aréola e do mamilo

Já repararam que durante a gestação a pele da aréola fica mais escura? Isso ocorre devido à ação de hormônios que atuam no fortalecimento e aumento da resistência da pele. Mais um motivo para não interferir no que seu corpo já está produzindo naturalmente.

Mas afinal, então o que devo fazer para me preparar para amamentar? A resposta é bem simples, deixe que a natureza se encarregue disso! Leia bastante e informe-se sobre o assunto. Procure o apoio de profissionais capacitados e que realmente apóiem a amamentação. Suas mamas e seu bebê agradecem!